QG Notícias

Em entrevista, Marina Silva nega candidatura para 2016

junho 08
20:04 2015

São Paulo – A ex-candidata presidencial Marina Silva afirmou, em entrevista a Fernando Rodrigues, do UOL, que não vai concorrer a nenhum cargo nas eleições municipais de 2016.

Com as últimas assinaturas para a criação da Rede Sustentabilidade entregues ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cresce a expectativa de que a Corte dê o aval para a criação formal do partido de Marina e que a ex-senadora volte ao cenário político. Nos bastidores, falou-se até na possibilidade de ela disputar alguma prefeitura no ano que vem, como a do Rio de Janeiro, onde obteve bons resultados nas urnas no ano passado. Ela agora refuta claramente essa hipótese.

Sobre a eleição presidencial de 2018, Marina disse não saber ainda se será novamente candidata – depois de ter ficado em terceiro lugar nas eleições de 2010 e 2014. “Ainda não sei, sinceramente não sei, não sei qual é a melhor maneira de contribuir com o Brasil”, afirmou. Marina repetiu que seu “objetivo de vida” não é ser presidente da República, mas contribuir para o País prosperar socialmente, economicamente e com desenvolvimento sustentável. “Quero contribuir para o Brasil ser melhor.”

Rede Sustentabilidade

Marina disse ter ciência de que a Rede nascerá com uma estrutura pequena, mas que terá legitimidade. “Vamos ser um partido pequeno do ponto de vista das estruturas, grande do ponto de vista da legitimidade e da inserção social, mas obviamente que as estruturas nos impedirão de poder lançar um número significativo de candidatos”, disse ao admitir que a legenda não deve conseguir apresentar candidaturas próprias em todas as 26 capitais no ano que vem. Ela disse ainda que a legenda deve se valer do arco de alianças formado em torno de Eduardo Campos (PSB) em 2014, principalmente com PSB e PPS, mas que o “processo de construção” dependerá da realidade em cada Estado e em cada município, a partir de uma “discussão programática”.

Campanha de 2014

A ex-senadora disse na entrevista que a campanha eleitoral de 2014 “extrapolou todos os limites da ética”, numa referência aos ataques que recebeu da campanha petista quando foi alçada ao posto de favorita na corrida eleitoral, após a trágica morte de Eduardo Campos. Marina citou o comercial da campanha de Dilma Rousseff que mostrava a comida sumindo da mesa de uma família e o dinheiro indo para banqueiros. “Tirar a comida da mesa dos trabalhadores é o que está acontecendo agora, quando você vê milhares e milhares de empregos desaparecendo”, afirmou.

Para Marina, a presidente Dilma hoje denuncia a si mesma, aos erros que cometeu no primeiro mandato. Ela argumentou que o ajuste fiscal é necessário para corrigir todos os erros cometidos pela própria presidente, que logo após ter sido reeleita passou a impor sacrifícios à população, como a restrição ao acesso ao seguro desemprego.

Sobre o impeachment, Marina repetiu o que disse em outras ocasiões de que não vê elementos para pedir hoje o afastamento de Dilma. Ela elogiou a postura do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). “O presidente Fernando Henrique está tendo uma atitude de respeito com o País. Se fosse qualquer outro à frente da presidência da República do País, com o PT na oposição, com a crise política, a crise econômica, a crise da corrupção que temos hoje, com baixíssimos índices de popularidade, esse governo já teria ido ao chão.”

Reforma Política

Marina lamentou a movimentação do Congresso Nacional em torno da Reforma Política. Disse que estão sendo feitos “ajustes eleitorais para dar mais poderes aos partidos”, o que, segundo ela, vai na contramão do que demanda a sociedade.

Marina se disse favorável às candidaturas independentes e ao financiamento público misto de campanha, com contribuição individual limitada por um teto. A ex-senadora deu também um recado ao PT, sobre a defesa do fim do financiamento empresarial. “Os partidos que defendem isso não devem agora dizer ‘fui derrotado, pois a lei diz que tem que ser (doação) de empresas'”, argumentou.

Em abril, o diretório nacional do PT decidiu que o partido não receberia mais doações de empresas e não firmou posição quanto às doações de pessoa jurídica para candidatos. A questão seria tratada no quinto congresso da legenda, que acontece em Salvador nesta semana. Com o movimento da Câmara de aprovar a PEC que constitucionaliza a doação empresarial a partidos, o PT decidiu adiar a decisão e dirigentes admitem que, se a PEC não for revertida, o partido pode se ver obrigado a voltar atrás na decisão de não receber doação empresarial.

A ex-senadora respondeu ainda sobre a proposta de reduzir a maioridade penal de 18 para 16 anos, à qual se disse contrária. “Criminalizar a infância não é a solução para nos dar segurança.” (Com conteúdo Estadão)

 

Sobre o Autor

admin

admin