QG Notícias

Ela está voltando?

 Extra!
maio 13
15:25 2015

O torcedor do Molico Osasco se antena no caldeirão do mercado internacional. Ninguém esperava que o técnico Luizomar de Moura estaria interessado numa jogadora estrangeira, mas os sinais vindos do Liberatão de Presidente Altino indicam que sim.

E para atiçar a paixão do osasquense, o nome que encabeça a lista de preferência do treinador seria o de Destinee Hooker, oposta que marcou passagem fantástica no período Sollys, temporada 2011/12. Por sinal, foi com a americana que Osasco festejou o último título da Superliga, clássico disputado no Maracanãzinho e com o Sollys sendo campeão por 3 a 0.

A oposta Destinee Hooker foi mesmo um dos grandes destaques paulistas na final, ao lado da levantadora Fabíola. Era 14 de abril de 2012 e a vitória osasquense foi selada com 25 a 14, 25 a 18 e 25 a 23, num Maracanãzinho com mais de 11 mil espectadores.

Destinee Hooker foi gigante e decisiva para ajudar Osasco a se vingar da derrota sofrida na final da temporada passada, quando o Rexona (então Unilever) calara o Ibirapuera com 3 a 0. Das titulars do atual Molico Osasco, as estrelas Thaísa, Adenízia e Camila Brait estavam ao lado de Hooker na festa do título no Rio de Janeiro.

E além do troféu nacional naquela temporada, o Sollys também foi campeão do Sul-americano de Clubes, campeão paulista e dos Jogos Abertos do Interior e, de quebra, campeão mundial de clubes.

Na última conquista da Superliga, Destinee Hooker foi a maior pontuadora com 20 tentos, e a levantadora Fabíola foi a melhor do clássico. A oposto é natural de Frankfurt, 27 anos agora, e é americana naturalizada.

Antes de fechar com Osasco nessa época, Hooker havia cumprido a temporada 2010/11 pelo Scavolini Pesaro – foi a melhor da final, quando faturou a Super Copa da Itália. Depois retornou para os EUA para ser campeã do Grand Prix e do Norceca. Depois de levantar o troféu no Maracanãzinho, a americana despediu-se da torcida osasquense e foi para o Dínamo Krasnodar. Na sequência, medalha de prata na Olimpíada 2012 em Londres – na final que perdeu para o campeão Brasil.

Em 2013 ela ausentou-se das quadras para cuidar da gravidez. É uma jogadora que causa, não se intimida com declarações polêmicas e até exagera nas exposições. Mas nada disso ofusca o brilho da americana aos olhos da torcida osasquense. Mesmo atuando no vôlei coreano, do outro lado do mundo e onde foi campeã com o IBK Hwaseong, Destinee Hooker tem uma grande lista de seguidores osasquenses pelas redes sociais.

O que aponta para possível acerto entre Molico Osasco e a oposto? Ano que vem tem Jogos Olímpicos e Hooker sabe que está em ponto de definição na carreira olímpica. Sabe que cumprindo uma temporada forte no vôlei brasileiro as chances de retornar à seleção americana ficam mais fortes. O Brasil, mais precisamente o Molico Osasco, portanto, é a escada que ela conta para chegar aos Jogos Olímpicos.

No mais, há o grande relacionamento dela com o clube e com a torcida. Isso significa que o cenário está cem por cento favorável. Se Luizomar de Moura está mesmo querendo o retorno da oposto, Destinee Hooker não vai dificultar. (Márcio Silvio)

A oposta , campeã coreana com o song.

A oposta , campeã coreana com o Hwaseong.

Hooker continua extrovertida como sempre.

Hooker continua extrovertida como sempre.